Vonpar virtualiza ERP SAP e amplia recursos de infraestrutura


Por Fabiana Monte, da Computerworld
Para atender a demanda necessária à expansão do número de licenças SAP e do novo módulo de faturamento do ERP, franquia da Coca-Cola no Sul do País redefine seu ambiente de TI.
A necessidade de ampliar o uso de sua ferramenta de gestão empresarial (da sigla em inglês ERP – Enterprise Resource Planning) levou a empresa do ramo de bebidas Vonpar a realizar profundas mudanças em sua infraestrutura de tecnologia da informação. O projeto inclui readequação das necessidades de hardware e migração de banco de dados e aplicativos do ERP para ambientes Suse Linux, virtualizados com a tecnologia Xen, com a substituição do Windows nos servidores.
A Vonpar é uma franquia da Coca-Cola no Sul do País, com 56,4% de participação de mercado na região. A empresa produz e distribui produtos da companhia norte-americana em uma área de atuação que compreende 13,5% do Rio Grande do Sul e todo o Estado de Santa Catarina. Por mês, a Vonpar fabrica e distribui cerca de 67 milhões de litros de bebidas para 60 mil clientes. A receita anual da companhia é de 1,2 bilhão de reais.
Para gerenciar essa operação, a empresa utiliza o sistema de gestão empresarial da SAP. Em 2007, a Vonpar sentiu a necessidade de implantar o módulo de faturamento do ERP, bem como atualizar a versão do SAP, passando da 4.7 para a 6.0, mais atual e completa. Com a mudança, a companhia saltaria de uma base de 2,8 mil licenças SAP para 12 mil.
Diante de um crescimento tão expressivo, a estrutura de hardware da companhia não suportaria a demanda exigida pelas novas características do ERP, conta o gerente de infraestrutura da Vonpar, Alexandre Leite. Na época, o SAP rodava em cinco servidores com Windows 2000 de 32 bits. “O conjunto de requisitos de performance da nova configuração do sistema nos levou a uma especificação de sizing [planejamento de capacidade] de muito grande porte, à qual não estávamos acostumados. Sempre usamos uma plataforma mais baixa e isso nos levaria ao mundo Risc”, diz Leite.
Além de reestruturar as necessidades de hardware, a Vonpar aproveitou para migrar o sistema operacional do ERP. Segundo o executivo, dois fatores contribuíram para essa decisão: primeiro, o Windows não suportaria mais a capacidade prevista pela Vonpar e, segundo, a companhia enfrentava algumas restrições por parte da plataforma usada até então. A principal delas era segurança.
A Microsoft recomenda que sejam feitas atualizações no Windows, mas, por outro lado, a SAP orienta seus clientes a não mexerem no ambiente sem que a fornecedora homologue as mudanças. “A empresa ficava com uma máquina parcialmente atualizada, mas com a plataforma de ERP desatualizada”, recorda Alexandre Leite.
A infraestrutura atual de processamento contempla três servidores Sun com AMD Opteron 8.000, cada um com capacidade para oito processadores de seis núcleos. Além disso, nas máquinas dedicadas aos aplicativos e banco de dados do SAP, a empresa substituiu o Windows pelo Suse Linux Enterprise Server. O country manager da Novell no Brasil, Sergio Toshio, diz que a experiência prévia da Vonpar com Suse Linux facilitou a tomada de decisão em favor do sistema operacional - a distribuidora de bebidas usava o software em banco de dados desde 2004. Mas observa que também existe um certo mito no mercado de que aplicações SAP, por serem de missão crítica e exigirem alto nível de disponibilidade, devem funcionar em máquinas Risc.
“Nosso trabalho é mostrar que ambientes críticos podem rodar em Linux e esse case mostra que isso é viável”, avalia Toshio. Alexandre Leite acrescenta que outro ponto favorável à escolha foi a existência de um canal de suporte do fornecedor para ambientes Suse Linux rodando SAP.

Virtualização do ERP
Mas o que Leite e Toshio consideram o ponto alto da iniciativa é o que o gerente de infraestrutura da Vonpar chama de “projeto dentro do projeto”. Além de readequar a infraestrutura de hardware da companhia para suportar as novas demandas do ERP, a empresa optou por uma solução de virtualização Xen, de forma a reduzir custos de TI.
Na prática, a equipe de tecnologia da Vonpar migrou aplicativos e banco de dados do SAP do Windows para oito ambientes virtualizados Suse Linux. “Hoje, são 12 máquinas físicas, nas quais rodam 18 máquinas virtuais”, afirma Leite. A capacidade instalada é bem maior do que as 12 mil licenças de SAP estimadas no início do projeto: chega a 86 mil. “Fizemos um sizing que indicou 12 mil SAPs, incluindo o faturamento. Mas como o módulo de faturamento não era usado na época, majoramos o número na hora de comprar o servidor”, explica.
O planejamento superestimado dá tranquilidade à companhia para expandir sem preocupação. Pelos cálculos do executivo, atualmente, a Vonpar utiliza cerca de 20 mil licenças de SAP na mesma estrutura implantada há três anos – quase 60% acima da estimativa inicial. “Não tem crescimento marginal que chegue perto desse número”, afirma Leite, referindo-se à capacidade do projeto.

Resultados
Embora não informe o valor aplicado no projeto, Leite garante que a companhia gastou metade do que teria de investir se adotasse uma solução tradicional de mercado. “Hoje rodamos 20 mil SAPs - antes eram 2.800 - sem gastar 10 vezes mais. Fazer isso gastando dez vezes mais é fácil”, ressalta.
Além disso, o uso da virtualização trouxe outros benefícios que podem ser medidos na ponta do lápis, como a diminuição do número total de máquinas físicas em 1/3, somada a economias da ordem de 75% em hardware e de 20% com licenças de software. O consumo de energia elétrica também caiu, resultando em uma redução de 12,5% na conta de luz da Vonpar.
“Também houve um melhor uso da mão-de-obra de TI que temos”, acrescenta. Apesar da ampliação do ambiente tecnológico e da adoção de soluções mais complexas, a Vonpar manteve o tamanho da equipe responsável pela infraestrutura de tecnologia da informação, composta por 16 pessoas – oito na área de help desk e outras oito responsáveis pelos recursos de infraestrutura. Embora não tenha realizado uma medição precisa, Leite estima que a produtividade de seu time tenha aumentado em torno de 30%, já que o tempo gasto com a administração do ambiente caiu entre 10% e 20%.
Em parte, o impacto positivo em relação à gestão de mão-de-obra deve-se à maior estabilidade do novo ambiente. Leite conta que o antigo enfrentava problemas como sobrecarga de processamento e falta de espaço em disco, em média, a cada dez dias. Isso exigia a realização de processos mensais de manutenção, de forma garantir a normalidade de funcionamento e diminuir instabilidades. “Não me recordo de ter havido uma interrupção nesses três anos. A estabilidade e a disponibilidade são muito maiores, e com um desafio muito maior, já que não tínhamos faturamento em cima de SAP, que hoje é missão crítica para a empresa”, analisa o gerente de infraestrutura da Vonpar.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.